O projeto H2Design para o desenho participado de um novo programa para a Eficiência Hídrica, lança plataforma digital para alargar processo participativo a todos os interessados.

.

O projeto H2Design foi lançado pela ADENE – Agência para a Energia com o envolvimento de um conjunto alargado de entidades nacionais, incluindo a APA – Agência Portuguesa do Ambiente, a ERSAR – Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos, o Grupo AdP – Águas de Portugal, o LNEC – Laboratório Nacional de Engenharia Civil, o LIS-WATER – Centro Internacional da Água de Lisboa, a EPAL – Empresa Portuguesa das Águas Livres, a Câmara Municipal de Lisboa, a PPA – Parceria Portuguesa para a Água, a ANQIP – Associação Nacional para a Qualidade nas Instalações Prediais, a DECO Proteste, bem como várias universidades e empresas de diversas áreas.

O H2Design tem por objetivo o desenho de novas abordagens de eficiência hídrica nos edifícios com o maior envolvimento dos stakeholders e utilizadores de água em edifícios residenciais, comércio e serviços, pretendendo continuar a alargar a participação de todos neste desenho, envolvendo cada vez mais entidades e cidadãos.

Assente em metodologias de avaliação prospetiva e de design-thinking, pretende-se com este projeto o mapeamento e geração de ideias, a disseminação das melhores soluções, a valorização dos edifícios e a adoção de escolhas mais eficientes pelos consumidores.

Esta plataforma digital dá a conhecer as primeiras iniciativas e resultados deste processo participativo, iniciado em 2018 e que contou já com a realização de um workshop de Futures Thinking | Estudos Futuros e de sessões de Design-Thinking, estando os primeiros resultados resumidos no vídeo do projeto, disponível no site H2Design.

Este site é uma porta para o diálogo continuado com todos os stakeholders, no qual vai ser possível conhecer a agenda de novas ações de participação a realizar em 2019, participar em questionários e entrevistas, propor ideias e consultar a evolução do processo de desenho participado.

No final de 2018 e tendo em conta os principais objetivos e soluções privilegiadas no curto prazo, o H2Design permitiu já identificar a necessidade de:

  • conhecimento do desempenho hídrico ao longo da vida do edifício: projeto, escolha, utilização;
  • introdução progressiva de medidas de melhoria, incluindo equipamentos mais eficientes, sistemas de aproveitamento de águas pluviais e sistemas de reutilização de água nos edifícios, na envolvente e nas cidades;
  • novas dinâmicas de mercado para o desenho e oferta de produtos, sistemas e edifícios cada vez mais eficientes no uso da água;
  • melhoria progressiva dos edifícios no nexus água-energia e resiliência hídrica nos novos edifícios, nos edifícios reabilitados e nos edifícios em utilização;
  • melhoria da relação das pessoas com a água e mudança de comportamentos, traduzindo os valores e a sensibilização que hoje já têm para a importância da água em gestos diários de uso mais inteligente deste recurso;
  • introdução progressiva do conceito de “Água Renovável”, das novas fontes de água, no dia-a-dia e no vocabulário “normal” dos cidadãos na sua relação com a água.

Partindo da problematização e mapeamento dos principais desafios nas sessões de design thinking, dos insights do workshop de Futures Thinking | Estudos Futuros e da pesquisa e entrevistas a diferentes tipos de utilizadores, além do trabalho de benchmarking de soluções de eficiência hídrica na Europa e no mundo, está em desenvolvimento a prototipagem de algumas das soluções identificadas que podem potenciar a eficiência hídrica nos edifícios de forma integrada e aproximando múltiplos stakeholders.

Os resultados do processo, as soluções em estudo e as próximas etapas serão continuamente publicadas na plataforma digital H2Design, para alargar o conhecimento e a participação no processo a todos os interessados e visados, em particular, os consumidores residenciais e todas as entidades e utilizadores dos setores do comércio, indústria, e construção, bem como do ciclo urbano da água.

O H2Design é um projeto de todos. Tendo reunido já um conjunto alargado de participantes dos setores da água, energia, construção e consumidores (que, na realidade, somos todos), incluindo entidades da administração pública central e local, entidades reguladoras, entidades gestoras de serviços de água, associações setoriais, associações de consumidores, universidades, empresas de diversas áreas, gestores de produto, especialistas em planeamento, pretende continuar a envolver, nas próximas etapas, e cidadãos todas as entidades interessados.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email