G

Gestão participada dos Recursos Hídricos

Do trabalho experimental em ciência à pedagogia da intervenção social

Paula Vaz

Técnica Superior da APA

05.04.2021

2

min. de leitura

Elzéard Bouffier é uma personagem imaginária, criada em 1953, pelo escritor Jean Giono. Um pastor solitário e tranquilo que se dedicava a plantar árvores, milhares de árvores, transformando, pouco a pouco e ao longo dos anos, toda uma região árida e desolada.

Há, como sabemos, alguns heróis bem reais que são capazes de fazer façanhas semelhantes.

Nos tempos que correm tão cheios de desafios, mais do que ser herói, importa ser coerente com os valores que defendemos, não ficar indiferente aos outros e ao que se passa à nossa volta, ser capaz de transformar o egoísmo e o comodismo, em algo construtivo que se traduza nas pequenas grandes coisas, nos gestos e atitudes de cada dia, com a certeza de que estamos a “fazer a nossa parte”.

Esta tem sido a filosofia, que ano após ano, se tem vivido e partilhado com quem participa no projeto “Voluntariado Ambiental para a Água”.

Na primavera de 2010, este projeto de ciência cidadã deu início à sua primeira campanha de monitorização voluntária da qualidade ecológica das massas de água doce no Algarve, utilizando os macroinvertebrados bentónicos, como bioindicadores. Estes indicadores biológicos, de acordo com a maior ou menor tolerância às pressões humanas, permitem, em função das comunidades identificadas, avaliar o estado das massas de água.

Desde essa altura que, ao promover a educação e o voluntariado ambiental para a conservação da natureza e o desenvolvimento sustentável dos ecossistemas dependentes de água doce, de águas costeiras e de transição, principalmente através das saídas de campo realizadas com as comunidades escolares para intervenções de monitorização ambiental e ações de valorização dos ecossistemas, tem sido possível passar do trabalho experimental em ciência à pedagogia da intervenção social.

Esta iniciativa da Agência Portuguesa do Ambiente, através da sua Administração da Região Hidrográfica do Algarve (APA ARH-Algarve), com uma equipa reduzida e o apoio de parcerias regionais, nacionais e internacionais, permitiu o envolvimento até Fevereiro de 2020 de mais de 12000 participantes em diferentes ações de educação e voluntariado ambiental, cumprindo um dos principais objetivos do projeto, que é mobilizar e envolver os cidadãos, maioritariamente jovens e crianças em idade escolar, na monitorização e gestão participada dos recursos hídricos e dos ecossistemas associados, contribuindo assim para a implementação da Diretiva Quadro da Água.

Na sequência da parceria dinamizada pela MONTIS – Associação de Conservação da Natureza iniciou-se a 1 de Janeiro de 2018 o projeto LIFE VOLUNTEER ESCAPES – Volunteer with European Solidarity Corps for Activities in Portugal with Ecological Sense. O projeto envolve uma parceria alargada de várias organizações com trabalho anterior no acolhimento e dinamização de voluntariado para diversas atividades de conservação da natureza e biodiversidade, bem como organizações que têm promovido trabalho complementar nestas áreas.

Este projeto, que termina em Junho de 2021, permitiu à APA – ARH Algarve acolher 7 voluntários para apoiar as atividades desenvolvidas ao abrigo do projeto Voluntariado Ambiental para a Água e o seu contributo possibilitou a desmultiplicação de ações e uma maior visibilidade do trabalho desenvolvido na região.

Em contrapartida foi dada aos voluntários formação on-job, sobre monitorização da qualidade ecológica de ecossistemas costeiros e dulçaquícolas, flora autóctone, técnicas de erradicação de flora invasora, comunicação, educação não formal e outras consideradas necessárias.

Ao longo dos anos tem sido possível dar a conhecer um território rico em biodiversidade e descobrir muitas das suas fragilidades e, todo este esforço, tem permitido uma necessária aproximação entre a Administração Pública e os cidadãos e, não menos importante, a obtenção de informação relevante sobre os ecossistemas adotados.

Foi crucial consolidar parcerias em que, para além de um sentido de missão do Serviço Público, se criaram raízes e se alimentaram afetos num Encontro de pessoas e vontades para o Bem Comum.

Prova disso mesmo é o mais recente projeto “Eficiência Hídrica na Escola” promovido pela APA – ARH Algarve, em parceria com a ADENE, a AMAL, a empresa Águas do Algarve, a UALG e a DGESTE – DSR Algarve, que tem como principal objetivo sensibilizar e mobilizar as comunidades escolares do Algarve, em parceria com os respetivos municípios, para a necessidade de monitorizar o seu consumo da água, promovendo simultaneamente a implementação das melhores práticas para o seu uso eficiente. Neste ano zero do projeto importa fazer o diagnóstico da situação atual, mesmo que a água consumida não seja objeto de faturação por parte da respetiva entidade gestora.

Pretende-se que a Escola possa funcionar como um “laboratório” de boas práticas, aos níveis infraestrutural (e.g. redes, dispositivos, equipamentos) e comportamental, que permita alavancar outras dinâmicas e posturas, contribuindo para o reforço da consciência coletiva sobre o real valor da água nas suas múltiplas dimensões e consequentemente no envolvimento ativo dos cidadãos nos processos de planeamento e decisão.

 

Mais informação em:

http://voluntariadoambientalagua.apambiente.pt

https://lifevolunteerescapes.org/

As principais ações do Voluntariado Ambiental para a Água são:

  1. Desenvolvimento de ações de monitorização voluntária das massas de água (qualidade ecológica), através da monitorização dos bioindicadores: Em Ecossistemas de Água Doce, Macroinvertebrados Bentónicos; Em Ecossistemas Costeiros, Macroinvertebrados Bentónicos e Ervas Marinhas.
  2. Desenvolvimento de ações de valorização e recuperação de ecossistemas, como troços de rios e ribeiras do Algarve e do Litoral Algarvio, com a plantação de autóctones, remoção de invasoras e limpeza.
  3. Ações de sensibilização e formação diversas de acordo com o interesse local, de modo a capacitar os voluntários e professores das Escolas para uma monitorização eficaz dos recursos hídricos do Algarve. Estas ações de formação geralmente são compostas por palestras teóricas, saídas de campo e trabalho de laboratório.
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email

S

Sobre o autor

Licenciada em Engenharia Química pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (1995). Nos últimos anos coordenou o Sistema de Indicadores de Desenvolvimento Sustentável do Algarve e projetos de educação para a sustentabilidade.
Atualmente é técnica superior da Agência Portuguesa do Ambiente na Administração da Região Hidrográfica do Algarve onde coordena os projetos Voluntariado Ambiental para a Água, LIFE Volunteer ESCAPES e Eficiência Hídrica na Escola.