No âmbito do Evento Eco.AP Summit, ADENE relança programa de eficiência energética na Administração Pública

29/11/2017

Pouco depois das 9h00 da manhã, do dia 20 de novembro, ecoava no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa, uma frase, em tom de reconhecimento, que foi o ponto de partida para um dia marcante: "Muitos dos consumos que existem na administração pública portuguesa e nos serviços públicos podem ser racionalizados e geridos de forma muito mais eficiente".

O autor da mensagem foi o Secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches e a partir daqui, abriu-se o leque para o apontar de caminhos e soluções para se atingir o objetivo de aumentar a eficiência energética na Administração Pública.

O evento ECO.AP Summit começava e, ao longo de todo o dia, reuniu centenas de Gestores Locais de Energia, Dirigentes Superiores dos Organismos Públicos, responsáveis pelas Secretarias-gerais dos Ministérios, Peritos Qualificados do Sistema de Certificação Energética dos Edifícios e outros convidados.

O evento foi considerado um enorme êxito e assinalou o ponto de partida para o relançamento do Programa de Eficiência Energética na Administração Pública, “ECO.AP”.

O ECO.AP Summit foi também o palco para a apresentação da Campanha ECO.AP, que sob o mote “A Energia tem Eco no Futuro”, tem como principal desígnio envolver a Administração Pública na promoção da Eficiência Energética, através de um plano de ações inovadoras que decorrerão ao longo de 2018.

Na apresentação da campanha, João Paulo Girbal, presidente do Conselho de Administração da ADENE, realçou a importância da promoção da eficiência energética junto da administração pública, referindo que esta "deve servir de exemplo ao setor privado”.

Sobre o Programa ECO.AP, agora relançado, o presidente da ADENE referiu que “o programa pretende estimular e dar ferramentas à administração pública para que este setor possa melhorar a sua eficiência em termos energéticos”, sublinhando que para se atingirem as metas "é necessário continuar a investir num conjunto de ações de apoio aos Gestores Locais de Energia, aos seus Dirigentes Superiores e a todos aqueles que pretendem implementar medidas de eficiência energética tendo em vista a redução de consumos".

Recorde-se que, até 2020, Portugal comprometeu-se em reduzir os consumos de energia em 25%. No entanto, o Estado estabeleceu uma meta mais ambiciosa que visa aumentar a sua eficiência energética em 30%, igualmente até 2020, sendo que novas metas estão igualmente em discussão para o horizonte 2030.


Boas Práticas, as Nações Unidas e um Debate cativante e bem-humorado
Depois de aberta a sessão e apresentada oficialmente a campanha ECO.AP, foi a vez de a assistência ouvir exemplos de boas práticas na Administração Pública. Cristina Tomé, Administradora da Rádio e Televisão Portugal; Sofia Coutinho, da Unidade de Instalações e Equipamentos da Administração Central do Sistema de Saúde, IP e Ana Cristina Correia, da Direção Geral de Recursos da Defesa Nacional apresentaram o que de positivo estão a fazer nas suas instituições em prol da Eficiência Energética, não escondendo, porém, em alguns casos, algumas dificuldades, sobretudo orçamentais.

Às boas práticas seguiu-se o Barómetro ECO.AP. Num palco amplo e com uma decoração que impactou os presentes, a Vice-Presidente da ADENE, Maria João Coelho, com um grande à vontade e empatia com os presentes, apresentou o novo Barómetro ECO.AP. Uma ferramenta que irá permitir ao Estado conhecer os consumos de energia e as medidas em prol da eficiência energética dos seus ministérios e outros organismos públicos.

Seguiu-se um simpático almoço, que possibilitou a confraternização, antes da subida ao palco de uma convidada especial: a representante das Nações Unidas, Nora Steurer, da Divisão de Economia do Programa da ONU para o meio ambiente, que fez uma interessante intervenção sobre o Papel da Eficiência Energética na Sustentabilidade a nível mundial.

Dos discursos, passou-se então à discussão. Aberta, independente e sobretudo, feito o balanço final, muito útil.

Cristina Cardoso, em representação da Direção Geral de Energia e Geologia; Vasco Ferreira, da Unidade de Coordenação da Política Energética da Comissão Europeia; Francisco Ferreira, Presidente da Associação Zero e o economista João Duque - num debate moderado pelo jornalista António Costa -, debateram de forma viva e por vezes muito bem-humorada, o papel do Estado para se conseguir cumprir as metas traçadas até 2030.

Uma nota: debate deveras interessante e que deixou a assistência completamente focada e a ouvir, do princípio ao fim, em total silêncio, que só foi quebrado pela enorme salva de palmas final e alguns risos em resposta ao bom humor dos intervenientes.

No final, o bom humor continuou mesmo nos bastidores, quando alguém frisou que se cumpria ao segundo os horários do programa. “Conseguimos que o debate acabasse 30 segundos antes do previsto!”.

A pontualidade foi mesmo outra marca própria do evento ECO.AP Summit. À hora marcada, o Presidente da ADENE, João Paulo Girbal, subia ao palco para presidir à sessão de encerramento do ECO.AP Summit, e deixar uma mensagem, que revelou também à jornalista da Agência Lusa, em entrevista à margem do evento: “É hora de pôr mãos à obra. Cada um dos funcionários da Administração Pública tem um papel fundamental. Estamos a falar de mais de meio milhão de pessoas que podem, com a sua atitude e com o seu comportamento, fazer uma enorme diferença".

 

Mapa do Site