ADENE lança negócio de 36 milhões para reduzir consumo público de energia na região de Lisboa

22/11/2013

As empresas de serviços energéticos (ESE) em Portugal irão ter no início de 2014 mais um bom negócio para desenvolverem a sua atividade. A ADENE vai gerir uma linha de investimento financiada pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) para diminuir os gastos energéticos do setor público na região de Lisboa e Vale do Tejo. São 36 milhões de euros a que poderão concorrer ESE’s como a GALP, a EDP, a Siemens ou a Dalkia, por exemplo.

“É uma oportunidade para todos”, afirma Filipe Vasconcelos, diretor-geral da ADENE. “Para as instituições porque, em pouco tempo e sem terem de mobilizar recursos próprios, irão ter reduções muito significativas na sua fatura energética. E para as empresas que atuam no mercado de serviços energéticos, porque têm financiamento para um negócio com ótimas taxas de rentabilidade”.
 

Ao assumir a liderança deste programa – que se inscreve no âmbito da “European Local Energy Assistance (ELEnA)” – a ADENE irá agir, sobretudo, como parceira técnica de todas as instituições estatais ou autarquias que queiram tornar os seus edifícios, sistemas de iluminação pública ou redes de semáforos mais eficientes do ponto de vista energético. Calcula-se que com um investimento de 36 milhões se obtenham poupanças anuais de 100 GWh, ou seja, de mais de 10 milhões de euros por ano. O investimento inicial será, assim, recuperado em cerca de três anos e meio.


Para além de divulgar o programa pelas instituições da região de Lisboa – que é a região do país com mais edifícios públicos e redes de iluminação e semáforos mais densas –, a ADENE irá receber as suas manifestações de interesse em fazer intervenções para a eficiência energética. Estas, no caso dos edifícios, consistirão em substituir sistemas de ar condicionado e de aquecimento e em trocar a iluminação por lâmpadas LED – a redução de consumos será da ordem dos 20%. Na iluminação de ruas também haverá colocação de lâmpadas LED e reguladores de fluxo, o que trará poupanças de 15%. Nos semáforos, a simples a troca de lâmpadas por LED obterá poupanças de 55%.


A cada organismo das administrações Central ou Local interessado em intervir nas suas redes de energia, a ADENE prestará o apoio técnico necessário para a montagem dos concursos, preparação dos cadernos de encargos, etc. Depois as empresas de serviços energéticos concorrerão a fazer as modificações necessárias, as quais serão financiadas pelas linhas do BEI. Finalmente, as empresas de serviços energéticos escolhidas verão o seu investimento remunerado nos anos seguintes com o dinheiro das poupanças que vierem a ser obtidas.


“Depois das intervenções em todo o país financiadas pelo programa JESSICA e pelo Fundo de Eficiência Energética, este é mais um impulso relevante para o mercado de serviços energéticos em Portugal e para as empresas que nele atuam”, afirma Filipe Vasconcelos. “Portugal continua a ser um dos países de referência em novas práticas energéticas”.

 

 

 

 

 

Mapa do Site